transparente
x
Prolector


A BÍBLIA EXPLICA:
Por ser a Bíblia Sagrada o livro eleito como a "Infalível Palavra de Deus" por todos os cristãos e até mesmo por algumas correntes não cristãs, a estaremos usando aqui para confirmar os assuntos abordados.
Estaremos usando a versão ACF "Almeida Corrigida Fiel".

x












História da Igreja Cristã Primitiva





















CONTEÚDO

Aula 01
PRÓLOGO DA HISTORIA DA IGREJA PRIMITIVA

a - A origem e significado da palavra "igreja".
b - A Natureza da Igreja de Cristo.
c - A igreja anunciada desde séculos passados.
d - Uma visão da época e lugar.

Aula 02
A FUNDAÇÃO DA IGREJA

a - Nascimento dos precursores da Igreja.
b - O ministério de Jesus.
c - Período entre a cruz e a inauguração da Igreja. Atos.1.
d - A inauguração da Igreja. Atos 2.

Aula 03
A IGREJA APOSTÓLICA EM JERUSALÉM

a - Pedro, líder da igreja judaica.
b - As oposições do poder reinante. Atos.4.
c - O trabalho da Igreja entre os judeus.
d - A instituição do diaconato. Atos.6.
d - O primeiro mártir. Atos.6.8.

Aula 04
A IGREJA ENVIADA

a - Samaria recebe a Palavra. Atos.8.
b - A história de Paulo. Atos 9.1-43.
c - Viagens missionárias de Pedro por toda a parte. Atos 9.32.
d - Multiplicação das Igrejas judaicas

Aula 05
A IGREJA APOSTÓLICA ENTRE OS GENTIOS

a - O centurião Cornélio. Atos 10.
b - O Evangelho de Antioquia para o mundo. Atos 11.19.
c - Repressão - A morte de Tiago. Atos. 12
d - Prisão e livramento de Pedro e morte de Herodes.


Aula 06
AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO.

a - Primeira viagem missionária de Paulo com Barnabé.
b - A assembléia de Jerusalém.
c - Segunda viagem missionária de Paulo com Silas.
d - Terceira viagem missionária de Paulo.
e - Paulo em Jerusalém. O alvoroço.
f - Viagem a Roma. Paulo prisioneiro.
g - O fim da era apostólica - O aviso dos apóstolos.

Aula 07
A ERA PÓS APOSTÓLICA - SEC.II - 100-199 d.C.

a - Personagens Eclesiásticos Históricos - "Pais da Igreja".
b - Inácio.
c - Justino.

Aula 08
A ERA PÓS APOSTÓLICA - SEC.III - 200-299 d.C.

a - Irineu.
b - Clemente de Alexandria.
c - Tertuliano.
d - Cipriano.
e - Orígenes. f - Euzébio de Cesareia.

Aula 09
A ERA PÓS APOSTÓLICA - SEC.IV - 300-399 d.C.

a - Jerônimo.
b - Ambrósio.
c - Agostinho.
d - João Crisóstomo.
e - Cirilo.
f - O concílio de Nicéia.

Aula 10
A IGREJA INVISÍVEL


PRÓLOGO DA HISTÓRIA DA IGREJA PRIMITIVA


UM POUCO DE HISTÓRIA

História é o conjunto de conhecimentos relativos a coisas passadas, ou seja fatos que ocorreram com pessoas ou coisas, e sua veracidade vai depender de quem está contando a história.

Por ex.: Em 1931 o Japão invadiu o nordeste da China e ocupou uma cidade chamada Nanquim e fez ali uma grande carnificina. Fala-se em 300 mil chineses assassinados e 20.000 casos de violência sexual. Os livros escolares de história dos japoneses contam uma história bem difierente dos livros de história dos chineses, e há uma queixa da China contra o Japão sobre esse material escolar japonês. Há uma ONG da China exigindo do governo japonês uma retratação e uma indenização.

A história do Brasil, contada por Portugal é muito diferente da história do Brasil contada pelo Brasil.
Por ex.: Se para o Brasil o Tiradentes é um herói da libertação nacional, que até tem um dia de feriado em 21 de abril, para Portugal ele foi um traidor da coroa, e por isso mesmo enforcado.

Estes são somente dois exemplos, para entendermos que a veracidade da história vai depender de quem conta a história.

Os escritos extra bíblicos sobre a história da igreja estão sendo manipulados pela igreja católica romana ha mais de 1500 anos. Imagine que história poderíamos contar de nossa igreja não fosse a Bíblia.

Esta, Deus mesmo preservou, pois Ele vela pela Sua Palavra para a cumprir. Na Bíblia temos tudo o que precisamos para conhecermos a história da nossa Igreja, e isso dentro de textos históricos canônicos, e somente isto nos basta.

A ORIGEM E SIGNIFICADO DA PALAVRA "IGREJA".


Abreviações usadas nesta aula.

Transl.=Transliterado
.

Vocabulário desta aula.

Transliterado=Transcrição feita com transposição das letras de um alfabeto para outro.
Etimologia=Parte da gramática que estuda a composição dos vocábulos e das regras de sua evolução histórica.
Vocábulo=Palavra.
X

IGREJA - A expressão.
etimologia:
Palavra de origem grega " εκκλησία " - transl. = ekklesia.
Etimologicamente essa palavra é composta de dois radicais gregos:
" εκ " - transl. = ek = para fora
e
" κλησία " - transl. = "klesia" = chamados; de "kaleo" = chamar ou convocar.

A palavra "igreja" é a tradução do vocábulo grego "ekklesia", que se deriva de ( ek ), "para fora", e de ( klésia ), "chamar",

Então ao pé da letra seria "chamados para fora".

Do ponto de vista gramatical, fica meio desconexo, porém estamos falando de uma língua falada ha mais de dois mil anos.

Assim sendo, o seu uso nos textos históricos é que lhe determina o sentido. Na Bíblia, é usada para indicar qualquer assembléia. Então, "assembléia" é para nós a melhor tradução.

A "Eclésia" era a principal assembléia do governo de Atenas na Grécia Antiga. O estado era democrático, e convocava uma assembléia popular, aberta a todos os cidadãos do sexo masculino, com mais de dezoito anos que tivessem prestado pelo menos dois anos de serviço militar e que fossem filhos de um pai natural da cidade, estado ou região. A partir do ano de 452 a.C. também a mãe teria de ser nascida na mesma região.

A "Eclésia" tinha poderes para:
Constituir magistrados.
Criar leis.
Julgar.
Fazer com que as leis fossem cumpridas.
Fiscalizar todos aqueles que recebiam cargos de poder, de modo a que não abusassem do mesmo e desempenhassem as suas incumbências da melhor forma possível.
A "Eclésia" atuava principalmente no âmbito da política externa.

Então, a palavra "igreja" significa simplesmente assembléia, congregação ou agrupamento de pessoas. Neste sentido vamos encontrar a palavra também no Antigo Testamento, porque em alguns textos bíblicos Israel é chamado de assembléia ou congregação.
Salmo 107:32 - "Exaltem-no na congregação do povo e glorifiquem-no na assembléia dos anciãos!"

A expressão Ekkesia também foi utilizada em Atos 19:32 quando uma turba queria incriminar Gaio e Aristarco. E é claro que neste sentido a expressão "ekkésia" refere-se simplesmente a um ajuntamento, ou congregação de pessoas.
Atos 19:
32 - ἄλλοι μὲν οὖν ἄλλο τι ἔκραζον· ἦν γὰρ ἡ ἐκκλησία συγκεχυμένη, καὶ οἱ πλείους οὐκ ᾔδεισαν τίνος ἕνεκα συνεληλύθεισαν.
Observe a palavra Ekklésia em negrito.
32 Uns, pois, clamavam de uma maneira, outros de outra, porque o ajuntamento era confuso; e os mais deles não sabiam por que causa se tinham ajuntado.

A palavra IGREJA aparece 73 vezes no Novo Testamento, tanto na versão "Almeida Revista e Corrigida"(ARC), como na "Almeida Revista e Atualizada"(ARA).

A palavra ekklesia aparece mais de duzentas vezes na "Septuaginta" que é a versão grega da Bíblia que a maioria dos cristãos dos primeiros séculos lia. O que pode surpreender-nos é que se encontram mais vezes no Antigo do que no Novo Testamento. Na versão grega do Antigo Testamento, ekklesia designa em geral a assembléia do povo de Deus. Exemplos: Dt 9.10; 18.16; 23.1,3 etc.
Nota - Septuaginta:
A Septuaginta é composta pelos livros do Antigo Testamento mais os apócrifos e contem ao todo 39 livros. A Septuaginta tem a sua origem em Alexandria, no Egito, e foi traduzida entre 300-200 AC e foi amplamente usada entre os judeus helenísticos.
É a mais antiga tradução da bíblia hebraica para o grego.
A tradução ficou conhecida como a Versão dos Setenta ou "Septuaginta", palavra latina que significa "setenta", ou ainda "LXX", porque foi traduzida por setenta escribas judeus. A Septuaginta, desde o século I, é a versão clássica da Bíblia hebraica para os cristãos de língua grega e foi usada como base para diversas traduções da Bíblia. Esta tradução grega foi produzida porque muitos judeus espalhados por todo o império estavam começando a perder o seu idioma hebraico. O processo de tradução do hebraico para o grego deu também a oportunidade de muitos não judeus conhecerem melhor o judaísmo.
De acordo com um antigo documento chamado de A Carta de Aristeu, a qual expõe que 70 a 72 eruditos judeus foram contratados durante o reinado de Ptolomeu Filadelfo para realizar a tarefa de tradução. O termo "Septuaginta" significa setenta em latim, e o texto é assim chamado para dar a esses 70 estudiosos o crédito da tradução.

Então "igreja", no sentido original da palavra, é uma organização composta por pessoas que se reúnem periodicamente em um lugar a fim de tratarem de assuntos da coletividade, ou sociedade, ou assuntos públicos a nível de vila, cidade, estado ou ainda assuntos nacionais, e cada ekklesia, tem sua própria identidade ou natureza, ou seja, na ekklesia de Atenas era um tipo convocados que tratavam de assuntos nacionais, quer diretamente quer através de líderes eleitos, já no caso de Éfeso, era uma turba desorganizada com o intuito de incriminarem pessoas inocentes.

Quando Jesus disse "edificarei a minha igreja (ekklésia)" não estava se referindo a uma turba desorganizada sem ideais ou objetivos.

Falava sim, referindo-se ao seu Reino, de uma organização governamental ou "real"(da realeza), uma assembléia de ministros, senadores, a serviço do Reino, e de âmbito mundial, com a função de implantar o Reino de Deus na Terra.

A Igreja "Ekklésia" de Cristo por natureza é uma Ekklésia para tratar de assuntos de estado, em todos os níveis e áreas, quer política (elegendo ministros, pastores, etc), social(zelando pelo bem estar da comunidade), econômica(gerando renda para a militância), militar(estimulando a militância), etc.

Os apóstolos não aceitaram participarem do poder reinante, mas enfrentaram-no e fizeram a sua própria militância. Por exemplo, Paulo, como discípulo de Gamaliel tranquilamente seria um senador a serviço de Roma. Iria ganhar muito dinheiro e ter uma vida tranquila, mas preferiu outra militância.




A NATUREZA DA IGREJA DE CRISTO

Este assunto que vamos abordar agora pertence à outra matéria, porém neste ponto de "História da Igreja Cristã Primitiva" é importante, para que saibamos a história de que tipo de "organização" estaremos estudando.

A natureza da igreja de Cristo também apresenta-se sob dois aspectos diferentes:
1 - A igreja como "ORGANIZAÇÃO".
2 - A Igreja como "ORGANISMO".

Todas as instituições carregam consigo esses dois aspectos. A organização é a parte material e visível da instituição enquanto que o organismo é a parte não material, invisível, como propósitos, missão, filosofia, ideologias, enfim, "a que veio" essa instituição. Quando alguma corrente no organismo não reflete o objetivo da organização, diz-se que há "falsidade ideológica". Exemplo: Uma organização cristã apoiando uma ideologia ateia.

As palavras "organização" e "organismo" podem ser assim interpretadas:
Organização: Dispor os órgãos em seus devidos lugares e funções para o correto funcionamento de um corpo.
Organismo: Corpo organizado, com seus órgãos em seus devidos lugares.

Exemplo Bíblico:
Mat.22:
17 - Dize-nos, pois, que te parece? É lícito pagar o tributo a César, ou não?
18 - Jesus, porém, conhecendo a sua malícia, disse: Por que me experimentais, hipócritas?
19 - Mostrai-me a moeda do tributo. E eles lhe apresentaram um dinheiro.
20 - E ele diz-lhes: De quem é esta efígie e esta inscrição?
21 - Dizem-lhe eles: De César. Então ele lhes disse: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.
A César o que é de César: ORGANIZAÇÃO.
A Deus o que é de Deus: ORGANISMO.

Exemplos Bíblicos:
Uma igreja somente ORGANIZAÇÃO pode não conter ORGANISMO ou algum ÓRGÃO que não condiz com o ORGANISMO da ORGANIZAÇÃO.
Mat. 7:
21 - Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
22 - Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
23 - E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.

Exemplo de igreja ORGANIZAÇÃO com ORGANISMO.
24 - Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;
25 - E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha.



OS DOIS ASPECTOS DA IGREJA

COMO ORGANIZAÇÃO

COMO ORGANISMO

1 - É VISÍVEL1 - É INVISÍVEL
2 - É LOCAL2 - É UNIVERSAL
3 - É HUMANA3 - É DIVINA
4 - É TEMPORÁRIA4 - É ETERNA
5 - É IMPERFEITA5 - É PERFEITA
6 - É MUTANTE6 - É PADRÃO

x

A IGREJA VISÍVEL.

O aspecto VISÍVEL da igreja é mais fácil de constatar pois é aquilo que vemos, como:
Bens em geral, como Imóveis, móveis, instalações, etc.
Pessoal como liderança, membresia, etc.
Documental como Documentos legais, regimentos, estatutos, etc.


A IGREJA INVISÍVEL.

Esta, é mais difícil de constatar. Se temos uma igreja "organização, visível", temos também uma Igreja "organismo, invisível" e ambas ocupam o mesmo espaço.

Em uma igreja "ideal", a igreja invisível, (organismo), é composta por todos os membros da igreja visível(organização). Mas, nem todas as igrejas, na qualidade de "organização" são "ideais". Podemos até afirmar que a Igreja de Jesus está contida dentro da igreja.

A igreja "organismo" é a presença do "reino de Deus" na terra, e sua militância é arregimentar militantes, expandindo assim o reino.

REFERÊNCIAS BÍBLICAS
Lucas 17:
20 - E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior.
21 - Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós.
Apocalipse:12:
6 - E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.
A Igreja escondida de uma forma que aqui é chamada "deserto", por 1260 dias. Literalmente 3,5 anos.
Somente sugestão:
Este assunto é da matéria "Escatologia". Estamos citando aqui porque a história da igreja segue também no plano escatológico.
Como a mulher aqui apresenta-e como grávida, pode ser o período que se inicia com a pregação de João Batista e vai até o dia da descida do Espírito Santo quando a igreja foi realmente fundada. Isso realmente dá os 3,5 anos da profecia. A partir daí a igreja começou a pregar o evangelho, ou "dar a luz a Jesus Cristo, que há de reger as nações com vara de ferro".
14 - E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente.
Somente sugestão:
Após uma era chamada de "era das trevas", veio a chamada "era das luzes" ou iluminismo. Não há um consenso entre os historiadores sobre quando se iniciou o iluminismo, mas alguns apontam para o século XVII (entre 1601 e 1700 d.C.). A igreja católica romana foi fundada com o concílio de Nicéia, em 325 d.C. e aí se inicia a chamada "Era da Trevas" pois ficou proibida todo o tipo de manifestação artística, científica ou religiosa (que não fosse católica romana), e com isto a Igreja de Cristo também desapareceu como organização popular e passou para a clandestinidade (Escondida), vindo a ressurgir nos tempos do iluminismo (sec. XVII) com o ressurgimento do movimento "Anabatista". (A reforma protestante é outra história).


A IGREJA LOCAL.

Mesmo que uma igreja tenha filiais em todo o mundo, ela será sempre local. Estará sempre limitada a um espaço geográfico e na qualidade de "ORGANIZAÇÃO" estará sempre sujeita as leis nacionais.


A IGREJA UNIVERSAL.

Esta é universal no espaço geográfico e no tempo, pois dela fazem parte todos os cristão de todas as nações do mundo, e de todos os tempos.


A IGREJA HUMANA.

Está nas mãos dos homens, para que estes façam o que acham melhor.


A IGREJA DIVINA.

Está nas mãos de Deus. Ninguém lha toca.


A IGREJA TEMPORÁRIA.

Deixará de existir na consumação dos tempos.


A IGREJA ETERNA.

Existirá eternamente como esposa do cordeiro.


A IGREJA INPERFEITA.

As limitações humanas e os percalços da militância induzem lideranças a erros.


A IGREJA PERFEITA.

É pura.


A IGREJA MUTANTE.

Tem diferentes aspectos e práticas conforme a região e a cultura do povo. Adota alguns sincretismos.


A IGREJA PADRÃO.

Segue os padrões bíblicos apostólicos.


A igreja, quer como "ORGANIZAÇÃO" quer como "ORGANISMO", está sempre sob os olhos de Deus e como cristãos é nosso dever zelar e manter os dois aspectos da igreja, para torná-la um ORGANIZAÇÃO forte com um ORGANISMO puro e fiel às origens.

Também Israel tinha essas duas características. A nação de Israel era uma "ORGANIZAÇÃO" e o "ORGANISMO" era o povo ligado através do sacerdócio levítico. O Israel "ORGANIZAÇÃO" era quem mantinha e dava vida ao Israel "ORGANISMO".

Também nós somos assim. Temos o nosso lado secular ou físico, no qual trabalhamos buscando granjear maiores economias para nosso melhor conforto, e para exercê-lo temos uma documentação e vivemos debaixo e uma lei nacional. Esse é o nosso lado "ORGANIZAÇÃO", é VISÍVEL, LOCAL, HUMANO, TEMPORÁRIO e IMPERFEITO. E temos também o nosso lado "espiritual", que é INVISÍVEL, UNIVERSAL, DIVINO, ETERNO e PERFEITO. Esse é nosso lado organismo.

Também as igrejas que são somente "ORGANIZAÇÃO" são muito interessantes para os cristãos e devem ser estimuladas e mantidas, pois elas engrossam a população leitora da Bíblia, e quanto mais leitores da Bíblia houver em um país, mais difícil fica para o poder ateu tirá-la de nossas mãos.



A IGREJA ANUNCIADA DESDE OS SÉCULOS PASSADOS


Abreviações usadas nesta aula.

NT=Novo Testamento
AT=Antigo Testamento
.

Vocabulário desta aula.

Canônico=Transcrição feita com transposição das letras de um alfabeto para outro.
Apócrifo=Parte da gramática que estuda a composição dos vocábulos e das regras de sua evolução histórica.
Septuaginta=Versão grega da Bíblia Hebraica.
X

A Igreja é uma "ORGANIZAÇÃO" neotestamentária e é a continuidade do plano de Deus para redenção do homem. A Igreja tem sua origem em Israel. É uma organização de origem judaica com uma identidade universal e é a mais importante "ORGANIZAÇÃO" da terra. É a menina dos olhos de Deus, pois é através dela que ocorre o trabalho de evangelização universal.

A descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes, deu essa nova identidade à Igreja. O Espírito Santo já operava em Israel, mas de forma diferente.


AS DUAS ORDENS SACERDOTAIS E O AGIR DE DEUS.

O sacerdócio LEVÍTICO deu lugar ao sacerdócio de MESQUISEDEQUE. O marco entre as duas ordens foi a crucificação de Jesus, quando o véu do Templo se rasgou.

ANTES DO PENTECOSTES, Deus habitava entre os homens.
Salmos 68:
18 - Tu subiste ao alto, levaste cativo o cativeiro, recebeste dons para os homens, e até para os rebeldes, para que o SENHOR Deus habitasse entre eles.

DEPOIS DO PENTECOSTES, Deus habita nos homens.
Romanos 8:
9 - Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.
I Coríntios 3:
16 - Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?

No plano secular, houve mudanças importantes. Por exemplo:
No SACERDÓCIO LEVÍTICO, a congregação referia-se a apenas uma nação. Israel.
No NT a congregação é universal.
Então:
No AT toda a nação tinha a mesma prática de adoração, desde o rei até o mendigo. Os profetas, os sacerdotes, o templo, os escritos bíblicos e os mandamentos eram todos estatais. Não se tratava de uma "religião" dentro da nação de Israel. Todo Israel tinha a mesma prática.
No NT os crentes estão por todo o mundo. São das mais diversas culturas; Têm que cumprir as leis nacionais de seus países, e dentro dessa realidade viver conforme nos moldes bíblicos. Daí a necessidade da mudança da lei, pois seria impossível cumprir as leis da Torá em outro país que já tem suas próprias leis.
Hebreus 07:
12 - Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei.


PROFECIAS DO AT QUE APONTAM PARA UMA EKKÉSIA "IGREJA" COM A INCLUSÃO DOS GENTIOS.

EXEMPLO 01
Joel 2:
21 - Não temas, ó terra: regozija-te e alegra-te, porque o SENHOR fez grandes coisas.
22 - Não temais, animais do campo, porque os pastos do deserto reverdecerão, porque o arvoredo dará o seu fruto, a vide e a figueira darão a sua força.
Versículo 21 - A Palavra é estendida a toda a terra.
Versículo 22 - Animais do campo = Povo gentio.

EXEMPLO 02
Joel 2:
28 E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.
29 - E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito.
30 - E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça.
31 - O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR.
32 - E há de ser que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como disse o SENHOR, e entre os sobreviventes, aqueles que o SENHOR chamar.
Versículo 28 - O Espírito Santo que seria derramada sobre toda a carne. Não somente Israel.
Versículo 29 - Havia servos e servas do próprio Israel, mas normalmente eram estrangeiros.
Versículo 32 - Todo aquele que invocar o nome dO Senhor. Não somente judeus.

EXEMPLO 03
Isaias 11:
10 - E acontecerá naquele dia que a raiz de Jessé, a qual estará posta por estandarte dos povos, será buscada pelos gentios; e o lugar do seu repouso será glorioso.
Versículo 10 - Raiz de Jessé é Jesus, que será a bandeira dos povos e buscado pelos gentios.

E mais um infinidade de referências bíblicas apontando para a universalização da ekklésia de Deus, o que está ocorrendo hoje, através da igreja "ORGANIZAÇÃO" que traz em seu interior a Igreja "ORGANISMO" que é o corpo de Cristo em todos os sentidos, físico e espiritual, e isto não é místico, como querem alguns. É bem real mesmo.



UMA VISÃO DA ÉPOCA E LUGAR


Vocabulário desta aula.

descalvinização=rejeitar a teologia de Calvino.
X

Devemos colocar aqui algumas considerações sobre o mundo da época.


LOCALIZAÇÃO EM RELAÇÃO AO MUNDO

Veja no mapa abaixo a localização da região onde se desenvolveu a história, em relação ao lugar em que estamos.

Mapa Mundi

Toda a região onde se desenvolveu a história da Igreja, estava sob domínio romano. Havia duas línguas faladas localmente e compreendidas pela maioria das pessoas: o hebraico e o aramaico. Duas outras línguas, "internacionais", também eram utilizadas: o grego e o latim. Estas, contudo, eram faladas pelas pessoas ligadas à administração do Estado e à educação.

Para entendermos como a língua grega está nessa lista, temos que voltar um pouco na história.

No ano 325 a.C., houve a ascensão do IMPÉRIO GREGO que tomou o lugar do império Persa. No período do domínio grego foi imposta a cultura chamada "helenística", incluindo a língua grega em todos os territórios dominados, inclusive Israel.

Com a morte de Alexandre em 323 a.C., o IMPÉRIO GREGO foi dividido entre os seus generais. Entre eles estão Ptolomeu que ficou com o Egito e Seleuco que ficou com os territórios do império persa e da Mesopotâmia, principalmente a Síria.

Então o império grego do Egito, com Ptolomeu I e depois seus descendentes, dominou Israel desde 323 até 204 a.C. ocorrendo nessa época a tomada do poder do Império grego do Egito pelo rei Seleuco III do império grego da Síria. Essa é a razão pela qual o reino se chamava "selêucida".

Como todos os poderes imperiais, também os gregos, neste caso os selêucidas, impunham aos povos dominados outra cultura, neste caso o helenismo.

Antíoco procurou forçar a helenização deste seu novo território, proibindo o culto e os sacrifícios judaico. A observância do shabbat e da lei mosaica, como também dos hábitos alimentares. Também a circuncisão foi proibida.

Em 168 a.C., Antíoco Epifânio sacrifica uma porca sobre o altar em Jerusalém e entra no Santo dos Santos. No Templo de Jerusalém seria instalada uma estátua do deus grego Zeus. O objetivo destas medidas era criar uma uniformidade cultural entre os súditos do seu reino.

Ordena que o templo dos judeus seja dedicado a Zeus, o principal deus da mitologia grega, ao mesmo tempo em que

Segue-se então um período em que não houve sumo sacerdote em atividade em Jerusalém (159 a 152 a.C.). Realiza-se então um processo de helenização radical em Israel. Vendo todos os seus valores nacionais sendo destruídos e profanados, os judeus reagiram contra Epifânio.

Em 142 a.C., esta situação gerava descontentamento entre os Judeus que eram contra a helenização o que resultou em uma revolta. Liderados pelo Coen(grande sacerdote) Matatias e seus filhos, os Macabeus, formaram um exército rebelde que expulsou as tropas de Antíoco IV de Jerusalém.

Os Macabeus fundaram a dinastia dos Hasmoneus, que governou de 164 a 37 a.C., reimpuseram a religião judaica, expandiram as fronteiras de Israel e reduziram no país a influência da cultura helenística (grega).

Em 63 a.C., o general Pompeu conquista a Judéia e anexa o território ao domínio romano. Ainda que houvesse uma liderança judaica, eles tinham que reportar-se ao poder romano.

Os Macabeus durante anos lideraram o movimento que levou à independência da Judéia, e que reconsagrou o Templo de Jerusalém, que havia sido profanado pelos gregos. Após a independência, os hasmoneus deram origem à linhagem real que governou Israel até sua subjugação pelo domínio romano em 37 a.C..

Seu membro mais conhecido foi Judas Macabeu, assim apelidado devido à sua força e determinação.

Por ocasião do nascimento de Jesus, Israel estava sob domínio romano e popularmente sob uma forte influências da cultura grega, porém, enfrentando todas as adversidades manteve viva a cultura judaica.

Qualquer outro povo facilmente teria se mesclado ao povo do poder dominante, tornando-se parte do poder dominante. Era muito mais confortável. Estas são coisas do capricho de Deus.

É dentro deste cenário político e social, que se desenvolve a história da Igreja de Jesus Cristo.

Israel ocupava uma posição geográfica privilegiada, que era passagem obrigatória das rotas comerciais pois ligava o Egito com a Mesopotâmia, com a Arábia e com a Ásia Menor.

O Império Romano dominava boa parte do mundo conhecido. Era um governo próspero que levava progresso às cidades dominadas e também Israel estava sob domínio romano.

A política romana tolerava até certo ponto as religiões e os costumes dos povos conquistados. Porém sempre foi prática dos impérios dominantes destruírem a cultura dos povos conquistados para que o povo perdesse a sua identidade e passasse a ser parte do império. Isto punha fim a idéias de revoltas.

Os Romanos passaram a chamar a terra de Israel de Palestina, para quebrar o status da nação de Israel, pois, sempre foi politicamente vantajoso para os dominadores mudarem o nome da terra dominada, matando assim a identidade do povo. No caso de Israel, não se conhece em nenhum outro povo na história das civilizações, tão forte identidade que até hoje persiste. Também a Igreja Romana usou esse procedimento, e usa até hoje. Essa má prática já contaminou também toda a sociedade evangélica. É uma prática antisemita e anticristã.


GOVERNANTES DOS TEMPOS DO NOVO TESTAMENTO.

GOVERNANTES DAS TERRAS DE ISRAEL.

HERODES O GRANDE - Foi o mais notável dentre todos e gerou uma clã. Governou todo Israel de 37 a.C a 4 a.C. - Mandou matar os meninos de Belém. Quando morreu, seu reino foi dividido em 3 regiões, sendo:

HERODES ARQUELAU - 4 a.C. a 6 d.C. - Judéia, Samaria e Iduméia. (Mat. 2.22)

HERODES ANTIPAS - 4 a.C. a 39 d.C. - Galiléia e Peréia - Mandou matar João Batista (Mat.14.1-12). Jesus o chamou de raposa (Luc.13.32).

HERODES FELIPE - 4 a.C a 34 d.C - Governou uma região que ficava a nordeste do lago da Galiléia, isto e Ituréia, Gaulanites, Batanéia, Traconites e Auranites ( Lucas 3.1 ).
Por determinação de seu avô, Herodes o Grande, casou-se com "Herodias". Foi exilado para Roma. Quando seu meio irmão Herodes Antipas foi visitá-lo em Roma, este envolveu-se com Herodias. Ela por sua vez não hesitou em abandonar o marido e viver com Herodes antipas. Levou consigo sua filha Salomé.


QUE FORAM SUCEDIDOS POR:
HERODES AGRIPA I - 41 a 44 d.C. - Todo Israel - Mandou matar Tiago (Atos 12.1023).

HERODES AGRIPA II - 50 - 70 d.C. - Mesma região de FELIPE. Paulo compareceu perante ele (At.25.13 - 26 - 32).



IMPERADORES ROMANOS DA ÉPOCA.
AUGUSTO - 29 a.C. até 14 d.C. - Imperador romano - Era sobrinho de Júlio César, chamado no NT DE César Augusto (Lucas.2.1).

TIBÉRIO CLÁUDIO NERO - 14 - 37 d.C. - Foi imperador romano do tempo de Jesus. (Luc.3.1).



A FUNDAÇÃO DA IGREJA


O NASCIMENTO DOS PRECURSORES DA IGREJA.

O nascimento de João, o batista, ocorreu seis meses antes do nascimento de Jesus. Sua missão era preparar o povo para o estabelecimento do "Reino de Deus" na terra.
Mateus 3:
3 - Porque este é o anunciado pelo profeta Isaías, que disse: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, Endireitai as suas veredas.
Lucas 16:
16 - A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele.

Com o nascimento de João Batista e depois de Jesus, dava-se início ao processo de fundação da Igreja, o que viria a ocorrer 33 anos depois.

A data do nascimento de Jesus é incerta, mas deve estar entre os 4 a 8 a.C. (-4 a -8 d.C.). Para facilitar o nosso estudo, vamos fixar em -4, que é o aceito pela maioria dos historiadores.

O MINISTÉRIO DE JESUS

Jesus iniciou o seu ministério com o seu batismo, ministrado por João, o Batista, no rio Jordão.
Marcos 01:
09 - E aconteceu naqueles dias que Jesus, tendo ido de Nazaré da Galiléia, foi batizado por João, no Jordão.

O Ministério de Jesus foi uma tentativa de restaurar Israel, e estabelecer o reino a partir dali.
Mateus 15:
21 - E, partindo Jesus dali, foi para as partes de Tiro e de Sidom.
22 - E eis que uma mulher cananéia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada.
23 - Mas ele não lhe respondeu palavra. E os seus discípulos, chegando ao pé dele, rogaram-lhe, dizendo: Despede-a, que vem gritando atrás de nós.
24 - E ele, respondendo, disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.
João-1:
11 - Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.

Israel, no legítimo exercício do seu livre arbítrio, rejeitou essa idéia, então Deus escancarou a porta de entrada para todos os povos, tribos, raças e nações. Jesus chorou com essa rejeição, o que nos traz a idéia que Ele esperava uma resposta melhor por parte dos judeus. Ele sabia que haveria rejeições, mas não esperava que fosse tanto. Se já soubesse exatamente como seria, não teria chorado. (Neste ponto cabe uma descalvinização para que entendamos os planos de Deus).

Não há nenhum texto bíblico que nos fale que Jesus tinha 33 anos quando foi crucificado. Há sim outros textos nos evangelhos que nos conduzem isto.

O primeiro texto está em Lucas 3.23:
Lucas 3:
23 - E o mesmo Jesus começava a ser de quase trinta anos, sendo ( como se cuidava ) filho de José, e José de Heli,

Depois temos uma sequência de textos bíblicos nos evangelhos, que nos mostram o seguinte:
Início ao 1o. ano: Ele iniciou o seu ministério um pouco antes de uma festa de Páscoa conforme João 02.13.
Fim do 1o. ano e início do 2o. ano: Passou-se mais uma festa de Páscoa conforme João 05.01.
Fim do 2o. ano e início do 3o. ano: Passou-se ainda outra festa de Páscoa conforme João 06.04.
Fim do 3o. ano ao fim: Conforme Lucas 22:15-20.

Textos Bíblicos:
João 2:
11 - Jesus principiou assim os seus sinais em Caná da Galiléia, e manifestou a sua glória; e os seus discípulos creram nele.
12 - Depois disto desceu a Cafarnaum, ele, e sua mãe, e seus irmãos, e seus discípulos; e ficaram ali não muitos dias.
13 - E estava próxima a páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.

João 5:
1 - DEPOIS disto havia uma festa entre os judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.

João 6:
04 - E a páscoa, a festa dos judeus, estava próxima.

Lucas 22:
15 - E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça;
16 - Porque vos digo que não a comerei mais até que ela se cumpra no reino de Deus.
17 - E, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai-o, e reparti-o entre vós;
18 - Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus.
19 - E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim.
20 - Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.

Então, se ele iniciou o seu ministério com (quase) 30 anos de idade, e se o seu ministério durou um pouco mais de 3 anos, na sua crucificação ele tinha 33 anos de idade, e seria o ano 30 d.C., ou seja: (-4 + 33 = 29), mas supõem-se que Jesus tivesse 33 anos de idade, completos, caminhando para a idade de 34 anos.

Nesse mesmo ano de 30 d.C. ocorreram os seguintes eventos:
A crucificação de Jesus.
A ressurreição.
Vários aparecimentos de Jesus aos discípulos.
A ascensão e a ordem de evangelização mundial.
A fundação da igreja de Jesus.

PERÍODO ENTRE A CRUZ E A INAUGURAÇÃO DA IGREJA

A Igreja de Jesus foi fundada por volta do ano 30 d.C. em Jerusalém, iniciando assim o período que chamamos "A Era Apostólica da Igreja", que vai até aproximadamente o ano 100 d.C., com a morte de João, que foi o último a morrer.

A partir deste ponto, a história da Igreja entra pelo livro dos Atos.

Após a ressurreição, Jesus esteve ainda 40 dias com os apóstolos, e lhes ordenou que ficassem em Jerusalém até que algo acontecesse que os encheria de poder.
Lucas 24:
49 - E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder.

Desde o diálogo entre as mulheres que foram ao sepulcro e o anjo que ali estava, já havia uma ordem que todos deveriam ir para a Galiléia. Era um boa caminhada, em linha reta dá aproximadamente 100 km.
Mateus 28:
5 - Mas o anjo, respondendo, disse às mulheres: Não tenhais medo; pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado.
6 - Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como havia dito. Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia.
7 - Ide pois, imediatamente, e dizei aos seus discípulos que já ressuscitou dentre os mortos. E eis que ele vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis. Eis que eu vo-lo tenho dito.
8 - E, saindo elas pressurosamente do sepulcro, com temor e grande alegria, correram a anunciá-lo aos seus discípulos.
9 - E, indo elas a dar as novas aos seus discípulos, eis que Jesus lhes sai ao encontro, dizendo: Eu vos saúdo. E elas, chegando, abraçaram os seus pés, e o adoraram.
10 - Então Jesus disse-lhes: Não temais; ide dizer a meus irmãos que vão à Galiléia, e lá me verão.

Também o próprio Jesus deu pessoalmente essa ordem aos discípulos.
16 - E os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha designado.
17 - E, quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram.
18 - E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.
19 - Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
20 - Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.

Segundo o relato de Paulo, Jesus depois de ressuscitado apareceu a mais de 500 pessoas.
1-Coríntios-15:
3 - Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras,
4 - E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.
5 - E que foi visto por Cefas, e depois pelos doze.
6 - Depois foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também.
7 - Depois foi visto por Tiago, depois por todos os apóstolos.

A ordem era para irem para a Galiléia. Presume-se que essa ordem seria para preservá-los de eventuais represálias pois havia ainda muita tensão em Jerusalém devido aos recentes acontecimentos.

Voltaram para Jerusalém alguns dias depois e a ordem era para permanecerem em Jerusalém porque em Jerusalém um evento de suma importância estaria ocorrendo. Era a descida do Espírito Santo e a inauguração da igreja.


A INAUGURAÇÃO DA IGREJA

A história da Igreja Primitiva está basicamente no livro dos Atos dos Apóstolos, escrito por Lucas, no ano 62 d.C. Há outras opiniões.

Vale ressaltar aqui, que tão logo eles regressaram da Galiléia, onde estiveram com o Senhor e o viram ser elevado aos céus, Pedro, antes do dia do Pentecostes, que era a festa das semanas "shavuot", já tratou de completar a equipe dos então apóstolos, e elegeram a Matias para o lugar de Judas Iscariotes.
Atos 1:
21 - É necessário, pois, que, dos homens que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor Jesus entrou e saiu dentre nós,
22 - Começando desde o batismo de João até ao dia em que de entre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da sua ressurreição.
26 - E, lançando-lhes sortes, caiu a sorte sobre Matias. E por voto comum foi contado com os onze apóstolos.

Conforme Atos 1.15, até este momento a Igreja estava composta com quase 120 discípulos, e provavelmente todos eles estavam no cenáculo no dia do Pentecostes.

Era um dia de festa religiosa dos judeus, o "pentecostes".

"Pentecostes" é uma palavra grega, ( πεντηκοστη - pentekoste ) e significa "quinquagésimo" e refere-se a "Shavuot" (שבועות, Semanas) no hebraico. Ao contrário das outras duas festa de peregrinação, Pessach(Páscoa) e Sucot(cabanas), Shavuot não tem uma data determinada na Torah(Pentateuco).

Segundo a Torah, a festa deverá iniciar no 50º. dia da contagem das sete semanas. Segundo alguns, a contagem deve iniciar no segundo dia de Pessach. Pelo fato de que a festa era realizada de acordo com a Lua, o dia poderia ser o 5, 6 ou 7 de Nissan, tudo dependeria do numero de dias que haveria no mês de Nissan e no mês de Ayir no mesmo ano, mas isso não está bem claro. A data mais aceita é a partir da Páscoa, porém há ainda outras interpretações.

No shavuot ofereciam os produtos advindos das primeiras frutas da colheita e os primeiros animais nascidos do rebanho. Era uma festa agrícola, tempo da colheita do trigo. Israel cultivava além do trigo, cevada, uvas, figos, romãs, azeitonas e tâmaras. Shavuot era também chamada de "Festa da colheita" e "Festa das primícias".

Shavuot também é a Festa da entrega da Torá. De acordo com a tradição foi neste dia que a Torá foi dada ao povo Judeu no Monte Sinai.

Shavuot também possui ligação com o Livro Bíblico de Ruth, que relata a história de Ruth, a Moabita, que se agregou ao Povo Judeu e que também é ancestral do Rei David. Esta história está ligada com Shavuot, pois ela aconteceu durante a colheita do trigo, em torno da época dessa festa.

Também existe uma conexão entre a dinastia real de David e a festa de Outorga da Torá. De acordo com a tradição, David nasceu e morreu em Shavuot.

A igreja também nasceu no Shavuot. São caprichos de Deus.

Conforme Atos.2, o início foi da seguinte forma: Atos 2:
1 - E, CUMPRINDO-SE o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar;
2 - E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.
3 - E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.
4 - E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
5 - E em Jerusalém estavam habitando judeus, homens religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu.
6 - E, quando aquele som ocorreu, ajuntou-se uma multidão, e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.
7 - E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses homens que estão falando?
8 - Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos?
9 - Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia,
10 - E Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos,
11 - Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus.
12 - E todos se maravilhavam e estavam suspensos, dizendo uns para os outros: Que quer isto dizer?
13 - E outros, zombando, diziam: Estão cheios de mosto.


O DISCURSO DE PEDRO


14 - Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a sua voz, e disse-lhes: Homens judeus, e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras.
15 - Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo a terceira hora do dia.
16 - Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel:
17 - E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos terão sonhos;
18 - E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão;
19 - E farei aparecer prodígios em cima, no céu; E sinais em baixo na terra, Sangue, fogo e vapor de fumo.
20 - O sol se converterá em trevas, E a lua em sangue, Antes de chegar o grande e glorioso dia do Senhor;
21 - E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.
22 - Homens israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis;
23 - A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos;
24 - Ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela;
25 - Porque dele disse Davi: Sempre via diante de mim o Senhor, Porque está à minha direita, para que eu não seja comovido;
26 - Por isso se alegrou o meu coração, e a minha língua exultou; E ainda a minha carne há de repousar em esperança;
27 - Pois não deixarás a minha alma no inferno, Nem permitirás que o teu Santo veja a corrupção;
28 - Fizeste-me conhecidos os caminhos da vida; Com a tua face me encherás de júbilo.
29 - Homens irmãos, seja-me lícito dizer-vos livremente acerca do patriarca Davi, que ele morreu e foi sepultado, e entre nós está até hoje a sua sepultura.
30 - Sendo, pois, ele profeta, e sabendo que Deus lhe havia prometido com juramento que do fruto de seus lombos, segundo a carne, levantaria o Cristo, para o assentar sobre o seu trono,
31 - Nesta previsão, disse da ressurreição de Cristo, que a sua alma não foi deixada no inferno, nem a sua carne viu a corrupção.
32 - Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas.
33 - De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis.
34 - Porque Davi não subiu aos céus, mas ele próprio diz: Disse o SENHOR ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita,
35 - Até que ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés.
36 - Saiba, pois, com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.
37 - E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?
38 - E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo;
39 - Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar.
40 - E com muitas outras palavras isto testificava, e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa.

OS PRIMEIROS MEMBROS DA IGREJA DE CRISTO


41 - De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas,
42 - E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.
43 - E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.
44 - E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum.
45 - E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.
46 - E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,
47 - Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.


NOTAS:

Notar que no discurso de Pedro, ele faz alusão a profecias do Antigo Testamento, o que nos permite afirmar que a Igreja já estava nos planos de Deus a tempos.

Exemplos: Pedro cita:

em Atos-2.16 ... a profecia de Joel-2.28 ... :
E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.

em Atos-2.25 ... a profecia de Salmo-16.8-11:
8 - Tenho posto o SENHOR continuamente diante de mim; por isso que ele está à minha mão direita, nunca vacilarei.
9 - Portanto está alegre o meu coração e se regozija a minha glória; também a minha carne repousará segura.
10 - Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção.
11 - Far-me-ás ver a vereda da vida; na tua presença há fartura de alegrias; à tua mão direita há delícias perpetuamente.
As palavras são um pouco diferentes, mas têm o mesmo sentido.

em Atos-2.34 ... a profecia de Salmo-110.1:
DISSE o SENHOR ao meu Senhor: Assenta-te à minha mão direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés.

Assim nasceu a tua Igreja.



A IGREJA APOSTÓLICA EM JERUSALÉM



ATOS 3:
PEDRO, líder DA IGREJA JUDAICA.

A princípio eles imaginavam que a "Igreja" era para os judeus. Um tipo de renovação ou de visitação de Deus para o povo de Israel que marcaria um novo tempo. Esta primeira Igreja era totalmente judaica e procuravam alcançar os judeus e os prosélitos. Prosélito era o estrangeiro que se propunha a circuncidar-se e aceitar a religião judaica.

Na Época, os judeus dividiam-se em 3 classes:
a. Os hebreus: Eram aqueles cujos antepassados haviam habitado em Israel durante várias gerações, sendo considerados os verdadeiros israelitas;
b. Os Judeus gregos ou Helenistas – Eram descendentes dos judeus da dispersão em épocas anteriores;
c. Os Prosélitos – Eram não descendentes dos judeus, porém renunciavam ao paganismo, aceitavam a lei judaica, recebiam o rito de circuncisão e tornavam-se judeus.

A leitura dos seis primeiros capítulos de Atos dos Apóstolos dá a entender que durante este período Pedro era o líder da Igreja. Em muitas ocasiões, era Pedro quem tomava as iniciativas de defender a igreja, devido ao seu temperamento sempre pronto. Até milagres fazia. Porém o papel dos demais era importante no governo da Igreja, mas Pedro era o porta-voz.

Não era somente o Pedro que pregava, mas toda Igreja, principalmente através do testemunho com o comprometimento vivo, e assim a Igreja crescia.

Segundo a própria Igreja Imperial Romana, Pedro foi o primeiro papa, e fundador da Igreja, vindo a seguinte sequência de papas, só no primeiro século:
1 - São Pedro de 30 a 67
2 - São Lino de 67 a 76
3 - Santo Anacleto de 76 a 88
4 - São Clemente I de 88 a 97
...depois...
5 - Santo Evaristo de 97 a 107
e por aí vai....

Ocorre que todos os livros do NT foram escritos até o ano 95 d.C., justamente no período que a igreja romana fala que houve quatro papas. São 27 livros, que não falam absolutamente nada sobre papado ou uma liderança geral da igreja.

Quantos aos nomes citados vemos:
IITim.4.21 - fala de um Lino como um simples irmão que estava com Paulo e não um líder.
Anacleto não aparece em lugar nenhum.
Fil. 04.03 fala de um Clemente que era cooperador em Fillipos, e não um líder.
Evaristo também não aparece em lugar nenhum.

É totalmente impossível que um líder máximo da magnitude que é um "papa", não seja citado uma única vez em nenhum dos 27 livros e ao longo de um período histórico de mais de 50 anos. Isto deixa evidente que esses líderes nunca existiram.
Por causa deste de outros fatores a leitura da Bíblia era terminantemente proibida pela Igreja Imperial Romana. Bíblias e outros livros quando descobertos em alguma casa eram queimadas, algumas vezes junto com os seus possuidores. A idéia era que eles nunca perderiam o domínio e que estas coisas nunca viriam a tona.
A "estória" desses papas talvez seja a maior "MENTIRA" de toda a história da humanidade.



ATOS 3 e 4:
AS OPOSIÇÕES DO PODER REINANTE

PEDRO E JOÃO.
Pedro e João no episódio da cura do coxo de nascença. Vendo que a multidão se admirava, Pedro pôs-se a pregar, o que resultou em cerca de 5000 conversões, e isto incomodava os governantes e eles foram presos por isto por uma noite.


ATOS 5.17:


TODOS OS APÓSTOLOS.
Estavam no alpendre de Salomão ensinando o povo e os sacerdotes os prenderam em uma prisão pública. Porem a noite um anjo os libertou e mandou que voltassem a ensinar no mesmo lugar.


ATOS 5.26:


TODOS OS APÓSTOLOS.
Foram levados perante um conselho, e foram interrogados pelo sumo sacerdote.
O apóstolos negaram-se a obedecer as ordem do sumo sacerdote, e deliberaram matá-los.
Foram salvos por um doutor da lei chamado Gamaliel, que era professor do Saulo de Tarso, transformado depois em Paulo Apóstolo.
Mesmo assim foram açoitados e ainda alegraram-se com isto.
Nada os parava e continuaram a ensinar no Templo e nas casas.


O TRABALHO DA IGREJA ENTRE OS JUDEUS

Eles tinham a coragem necessária e enfrentavam todas as adversidades. Quando Pedro e João efetuaram a cura do coxo de nascença em um lugar público, a multidão admirou-se muito, e Pedro aproveitou a ocasião para expor a Palavra. Atos-03. Eles foram presos por isto por uma noite, mas aquela pregação rendeu quase 5.000 novos convertidos. Atos-04.04

Bem, conforme Atos-2.41 a Igreja já tinha quase 3.000 membros, que foram batizados logo após a pregação do dia do Pentecostes. Agora com estes quase 5.000 deste evento, soma-se quase 8.000 membros. Era uma igreja respeitável.

Conforme Atos-4.32 todos repartiam o que tinham com todos, sob administração dos líderes da Igreja. Nem tudo foi perfeito e a infidelidade de Ananias e Safira foi punida com a morte (Atos-05.01).

Prodígios e sinais eram feitos pelos apóstolos, entre o povo, e traziam os enfermos esperando que ao menos a sombra de Pedro passasse por eles para serem curados. Até mesmo gente das cidades vizinhas vinham a Jerusalém buscar curas.

Templo de Herodes
O templo propriamente dito é a edificação dentro da área murada.
A esquerda há um edifício coberto. É o alpendre.
No piso superior era o cenáculo.

A área do Templo chamada de "Alpendre de Salomão" era o lugar preferido por eles para as reuniões e as pregações. Sugere-se que o "Alpendre" seja o térreo e o "Cenáculo" seja um piso superior, conforme At.01-13. Ver foto.


Atos 6
A INSTITUIÇÃO DO DIACONATO

Como houve alguma queixa por parte de judeus gregos que se acharam injustiçados, a liderança da Igreja decidiu montar um "Diaconato", tendo sido eleitos para o cargo os seguintes irmãos:
Estevão - Homem cheio de fé e do Espírito Santo.
Filipe
Prócoro
Nicanor
Timão
Pármenas
Nicolau - Prosélito de Antioquia.

Atos 6.8
O PRIMEIRO MÁRTIR.

Estevão era um diácono, eleito pela igreja para o primeiro diaconato instituído. O nome de Estevão está registrado na Bíblia sete vezes. São elas:

Por ocasião da sua eleição ao diaconato.
1-Atos 6.5
5 E este parecer contentou a toda a multidão, e elegeram Estevão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, e Filipe, e Prócoro, e Nicanor, e Timão, e Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia;

Assim como os outros, ele era um membro ativo da igreja. Conforme Atos 6.7 muitos sacerdotes aceitavam a fé.
2-Atos 6.8
8 E Estevão, cheio de fé e de poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo.

O movimento era tão forte que preocupou a liderança judia. Eles disputavam com Estevão.
3-Atos 6.9
9 E levantaram-se alguns que eram da sinagoga chamada dos libertinos, e dos cireneus e dos alexandrinos, e dos que eram da Cilícia e da Ásia, e disputavam com Estevão.

Como não conseguiram vencê-lo, mataram-no. Até o último suspiro, ele foi testemunha de Jesus.
4-Atos 7.59
59 E apedrejaram a Estevão que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito.

Estes homens piedosos provavelmente não eram da igreja, senão estria citado "irmãos piedosos".
5-Atos 8.2
2 E uns homens piedosos foram enterrar Estevão, e fizeram sobre ele grande pranto.

A morte de Estevão não foi em vão e incitou os outros a fugirem dali, e indo eles anunciavam a Palavra por todos os lugares.
6-Atos 11.19
19 E os que foram dispersos pela perseguição que sucedeu por causa de Estevão caminharam até à Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus.

Paulo podia tê-lo livrado. Mas não o fez. Vivia em outro mundo.
7-Atos 22.20
20 E quando o sangue de Estevão, tua testemunha, se derramava, também eu estava presente, e consentia na sua morte, e guardava as capas dos que o matavam.

A IGREJA ENVIADA

Atos 8.4
OS DISPERSOS ANUNCIARAM O EVANGELHO EM SAMARIA

A igreja era por natureza, judia, e pregava somente para judeus e prosélitos. Prosélitos eram gentios que aceitavam circuncidar-se e andar conforme as leis de Moisés. O próprio Jesus não pregou aos gentios, mas somente aos judeus.

Samaria era a região das dez tribos de Israel, cujo último rei foi Oséias (IIReis 17.6). Salmaneser, rei da Assíria conquistou Samaria e exilou o povo para outras regiões. Depois colonizou a terra com outros povos para que Israel perdesse a identidade, o que aliás já não tinha. Isto ocorreu mais de 700 anos A.C.
Conforme IIReis-17.24 O rei da Assíria contratou sacerdotes para ensinar o povo de Samaria a servir o Deus da terra. Os samaritanos mencionados no NT também eram da circuncisão e seguiam os ritos judaicos, com algumas divergências. Nem todos os de Samaria eram da circuncisão.

Jesus não rejeitou pregar para os Samaritanos (João 4), mas resistiu atender a mulher cananéia (Mateus-15.22 ...). Isto porque muitos samaritanos eram descendentes remanescentes das dez tribos de Israel, o reino do norte.

Agora porém, Samaria recebe a palavra levada pelos discípulos que fugiram de Jerusalém devido as perseguições. Os apóstolos porém, até então, ficaram em Jerusalém (Atos 8.14).


FILIPE EVANGELIZA UM ETÍOPE

Esse etíope, apesar de estrangeiro, não era considerado gentio, pois era um prosélito que foi a Jerusalém para adorar. Os etíopes são de raça negra.

Atos 9.1-43
A HISTÓRIA DE SAULO.

Atos 9.32
VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PEDRO POR TODA PARTE.

MULTIPLICAÇÃO DAS IGREJAS JUDAICAS

Damasco(Atos 9.10)
Por toda a Judéia, Galiléia e Samaria(Atos 9.31)
Lida e Sarona (Atos 9.35)
Jope (9.36)


A IGREJA APOSTÓLICA ENTRE OS GENTIOS

Atos 10
O CENTURIÃO CORNÉLIO.

Até aqui, tanto os apóstolos como a multidão de discípulos entendiam que o evangelho era somente para os judeus e prosélitos, ou seja, para os da circuncisão.

Mas agora Pedro vê-se diante de um problema cultural. Ele tem que evangelizar uma família que não é judia e nem é de prosélitos. É uma família italiana. Cornélio convidara seus parentes e amigos mais íntimos (Atos-10.24), com certeza todos italianos.

Cornélio era um centurião da corte italiana. Centurião era um comandante de uma centúria. Centúria é um aquartelamento de 100 soldados.

Deus de antemão já prepara o Pedro com uma visão.

Pedro prega para os italianos e como no dia de Pentecostes, o Espírito Santo manifestou-se de forma notória com línguas e louvores.

Podemos aceitar este evento como a inauguração da Igreja dos gentios, mas o evangelho aos gentios ficou mesmo somente entre os dali. A propagação mesmo ocorreu tempos depois, através da igreja de Antioquia.

Mas Pedro teve que explicar-se com os judeus da circuncisão, conforme Atos-11.2 ... .

Mas Deus ainda tem um negócio com os judeus, de juízo e salvação para os que aceitarem.


Atos 11.19
O EVANGELHO DE ANTIOQUIA PARA O MUNDO

Antioquia ficava a 500 km de Jerusalém e estava em um lugar estratégico, muito favorável para missões. Localizava-se na divisa dos dois mundos culturais da época – o grego e o semita.
Era a terceira cidade do Império Romano, vindo depois de Roma e Alexandria. Passou a ser a capital da província romana da Síria, em 64 a.C., quando Pompeu a conquistou.
Havia uma outra cidade chamada Antioquia, (da Pisídia - At.13.14).

As perseguições em Jerusalém, depois do martírio de Estevão, tornaram insuportável a vida dos cristãos. Então, muitos fugiram indo para outras cidades da Judéia e Samaria, e indo além de Israel, para a Fenícia, ilha de Chipre, Antioquia da Síria e Cirene (Atos 11.19 e 8.1-4).

Mas a Igreja de Antioquia, talvez foi a maior expressão do cristianismo em toda a história da igreja. Antioquia da Síria foi a cidade mais importante para o Cristianismo, depois de Jerusalém, no início da fé cristã.

Não se sabe quem foi o fundador da igreja de Antioquia, mas, conforme relata Josefo, eram de Chipre e de Cirene. Eles entrando na cidade, falaram aos gregos, anunciando o Senhor Jesus” (v.20). Até então o evangelho era pregado somente aos judeus (v.19).

Talvez aquele episódio de Pedro na casa de Cornélio tivesse chegado ao conhecimento deles, e assim também deixaram de excluir os gentios (v.20). O número de discípulos crescia a cada dia (v.21). Nascia a igreja dos gentios.

As notícias do progresso do evangelho em Antioquia chegaram em Jerusalém, e enviaram Barnabé a Antioquia. Atos 11.22. A escolha teria sido talvez pelo fato de Barnabé ser de Chipre (At 4.36) e falava bem o grego.

Barnabé teve um papel importante no ministério do apóstolo Paulo. Primeiramente Barnabé encaminhou Paulo na comunidade cristã em Jerusalém, quando muitos duvidavam de sua conversão. Depois, foi buscá-lo em Tarso, na Cilícia, cidade natal de Paulo para juntos ensinarem em Antioquia da Síria.

Após um ano, os crentes da igreja davam um testemunho tal que chamava a atenção dos moradores locais, os quais os nomearam cristãos.

Após isto, Paulo e Barnabé, foram indicados, nominalmente, pelo Espírito Santo, para a obra missionária, e foram enviados pela igreja e por onde passavam fundaram igrejas.

Como visto acima, esse Barnabé teve um papel importantíssimo na história da Igreja dO Senhor.

De todas essas localidades, Antioquia da Síria sobressaiu-se, tornando-se o mais importante centro missionário, no primeiro século do Cristianismo.

Foi em Antioquia que os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos" (At 11.26).
A palavra "cristão" ocorre somente três vezes no Novo Testamento (Atos 11.26; Atos 26.28; 1 Pe 4.6).
Originalmente designava um servo e seguidor de Cristo. Hoje é um termo geral, sem o seu significado original. Ser cristão, deve soar para nós hoje como:"imitadores de Cristo".

Foi a partir de Antioquia, através do ministério de Barnabé e Paulo, que o evangelho foi universalizado.

O Espírito Santo assim o queria, mas os judeus não estavam entendendo isto. Vejamos:
Filipe prega em Samaria (At 8.5). Como os samaritanos eram meio judeus, não foi aí que nasceu a igreja dos gentios. Depois Pedro prega na casa de Cornélio, que era gentio, mas como estava fixado à cultura judaica (At 10.1,2) também não há notícias de uma igreja gentia proveniente da casa de Cornélio.
Finalmente, temos em Antioquia o princípio da sustentação missionária ao mundo gentílico. Enfim, decolou!

As igrejas de vulto no primeiro século foram: Antioquia, Jerusalém, Alexandria, Constantinopla e Roma.

Atos 12.1
REPRESSÃO - A MORTE DE TIAGO(Atos.12)

Esse Herodes que governava nesse tempo era o Herodes Agripa I.

Atos 12.3
PRISÃO E LIVRAMENTO DE PEDRO E MORTE DE HERODES


AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO


Atos-13.1 - 14.28
PRIMEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA DE PAULO COM BARNABÉ

Primeira Viagem Missionária de Paulo


Equipe: Paulo, Barnabé e João Marcos.
Época: 46 a 48 d.C.
Partida: Antioquia da Síria.
Rota: Antioquia da Síria; Selêucia; Salamina em Chipre; Pafos em Chipre; Perge da Panfília; Antioquia da Pisídia; Icônio; Listra da Lacaônia; Derbe da Lacaônia; Listra da Lacaônia; Icônio; Antioquia da Pisídia; Perge da Panfília; Atália; Antioquia da Síria.
Nota: Quanto a essa rota há outras versões.

Na primeira viagem, ocorrida nos anos 46-48, o ponto relevante vai para o discurso na sinagoga de Antioquia de Pisídia, em que Paulo se volta para os gentios.

1 - A partida (13.4). O ponto de partida da primeira viagem de Paulo foi Antioquia da Síria (At 13.1-4). Barnabé e Marcos o acompanharam. Selêucia era uma cidade portuária, onde Paulo e seus companheiros embarcaram.

2 - A campanha de Chipre. Chipre era a terra natal de Barnabé (At 4.36), região das primeiras atividades missionárias de Paulo. Em Salamina, anunciaram a Palavra de DEUS nas sinagogas (At 13.4,5). Depois, atravessaram a ilha até o outro extremo dela, chegando a Pafos (13.6-12), onde o apóstolo dos gentios pregou para o procônsul Sérgio Paulo e enfrentou Elimas, o mágico, que se opôs à pregação do Evangelho. Mas a mensagem divina triunfou e o encantador ficou cego por um determinado tempo.

3 - Depois, Paulo deixou a ilha e seguiu para o continente, passando por Perge, cidade da Panfilia. Por alguma razão que a Bíblia não narra, Marcos abandonou Paulo e Barnabé e voltou para a casa de sua mãe, em Jerusalém (13.13-14; 12.12). Supõem-se que ele tenha se assombrado com a hostilidade daquela sociedade pagã. Na sinagoga de Antioquia da Pisídia, o apóstolo dos gentios pregou aos judeus.

Expulso de Antioquia da Pisídia, Paulo foi para Icônio (At 13.50; 14.1-5). Como as hostilidades eram as mesmas da cidade anterior, havendo motim tanto dos judeus como dos gentios, foram para a região da Licaônia, e fundaram igrejas em Listra e Derbe. A atividade missionária de Paulo em Listra resultou na cura de um coxo (14.8-10). Isso chamou a atenção das multidões, onde o apóstolo dos gentios aproveitou para anunciar a Palavra de DEUS. Os judeus de Antioquia da Pisídia e de Icônio o atacaram, e ele foi arrastado da cidade, quase morto (At 14.19).

4 - Fim da primeira viagem. Depois disso, Paulo e Barnabé foram para Derbe (14.20). De lá, retomaram ao ponto de partida, confirmando as igrejas em Listra, Icônio e Antioquia da Pisídia (14.22) e estabelecendo pastores nativos em cada uma delas (14.23). Essa primeira viagem começou em 46 e terminou em 48 d.C. e ocupa os capítulos 13 e 14 de Atos.


Atos 15.6
A ASSEMBLÉIA DE JERUSALÉM

Conforme o relato bíblico, a questão da doutrina judaica da circuncisão, e da guarda de lei de Moisés sempre foram uma dúvida para os crentes judeus, e como a Igreja é de origem judaica, houve grandes riscos dessa interferência.

Gal. 2:
12 - Porque, antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, comia com os gentios; mas, depois que chegaram, se foi retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão.

13 - E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação.

Neste episódio, todos sabiam que Pedro, a princípio não fazia diferença entre crentes judeus ou gentios (circuncidados ou incircuncisos), e sentava-se a mesa com eles, sem se preocupar com os seus antigos hábitos judaicos e não se sentia contaminado com isto.

Mas chegaram em Antioquia alguns judeus convertidos, fariseus que ainda guardavam os antigo hábitos.

A princípio eles foram recebidos como sendo enviados por Tiago, (Gal.2.12) que era o líder da Igreja de Jerusalém, mas o próprio Tiago negou isto depois (Atos 15.24).

Diante dessa situação embaraçosa, Pedro preferiu não entrar no mérito da questão, e talvez temendo um conflito maior, passou a afastar-se dos gentios.

O texto bíblico usa a expressão "dissimular". Gal.2.13.

Dissimular significa, agir com reservas, ou fingir.

Pedro e outros cristãos judeus, e até mesmo o Barnabé, dissimularam. Ou seja, sentiram-se envolvidos pelos mestres fariseus, e preferiram omitir-se.

Alguns comentaristas relatam que esse episódio foi como um dilúvio, que conduziria a igreja ao fracasso total. As maiores lideranças da igreja se calaram diante daquela imposição doutrinária. Pedro, todos os crentes que eram judeus, e até o próprio Barnabé, homem de confiança e colega missionário de Paulo, omitiram-se.

Isso iria levar a igreja a estagnação, e haveria então uma rixa perpétua entre judeus e gentios, e consequentemente duas mesas dO Senhor.

Foi aí que Paulo entrou no mérito da questão, repreendeu a Pedro para que este retomasse o seu lugar de líder.

Este incidente resultou no "Concílio de Jerusalém", onde Pedro brilhou, com coragem, sabedoria e destemor.

Neste ponto da história, já temos uma Igreja forte, com congregações em muitas cidades por todo o mundo conhecido da época. Normalmente as igrejas saíam de dentro das sinagogas.


Atos 15.35 - 18.22
SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA DE PAULO COM SILAS.

Segunda Viagem Missionária de Paulo


Equipe: Paulo e Silas e depois também Tomóteo e Lucas.
Época: 49 a 52 d.C.
Partida: Antioquia da Síria.
Rota: Antioquia da Síria; Tarso; Derbe da Lacônia; Listra da Lacônia; Icônio; Antioquia da Pisídia; Trôade; Neápolis; Filipos; Apolônia; Tessalônica; Beréia; Atenas; Corinto; Cencréia; Éfeso; Cesaréia; Jerusalém; Samaria; Antioquia da Síria.
Nota: Quanto a essa rota há outras versões.

A segunda viagem, nos anos 49-52, inclui o percurso da primeira, mas prolonga-se até Atenas. O ponto relevante é o discurso no Areópago daquela cidade.

1. Paulo e Barnabé se separam. Depois do Concílio de Jerusalém, Paulo resolveu empreender outra viagem. Era a segunda, com dois objetivos: visitar as igrejas que ele fundara durante a sua primeira missão e abrir novos campos de trabalho. Barnabé queria levar seu sobrinho Marcos, mas o apóstolo dos gentios não concordou com a idéia, pois aquele jovem havia voltado do meio do caminho, na vez anterior. Isso foi motivo para se separarem. (Atos 16.36-39). Assim sendo, Barnabé foi com João Marcos para Chipre, e Paulo viajou com Silas.

Nesta viagem de Paulo, dois nomes relevantes entram em cena na história da igreja, Timóteo e Lucas. Timóteo, conforme citado em Atos 16.1 e Lucas por dedução, com base no seguinte: Como foi Lucas que escreveu o livro de Atos, entendemos que até Atos 16.8 Lucas usa o tratamento na terceira pessoa do plural, "eles" e a partir de Atos 16.10 passa a usar na primeira pessoa do plural, "nós", de onde também deduzimos que Lucas foi encontrado em Trôade e passou a acompanhar Paulo até o fim de viagem que foi em Jerusalém.

2. Visitando as igrejas. Paulo e Silas partiram de Antioquia da Síria, de onde havia uma estrada que ia até Tarso e Ásia Menor. Portanto, nessa segunda viagem, o apóstolo dos gentios viajou por terra, atravessou a Cilícia, região onde se situava Tarso, sua terra natal, (não há registro de que ele tenha realizado trabalhos missionários em sua cidade), e seguiu direto para Derbe, Listra, Icônio e Antioquia da Pisídia, a fim de fortalecer as igrejas. Em Listra, encontrou Timóteo e levou-o também. Os três atravessam a região frígio-gálata (região norte da Galácia). onde são "impedidos pelo ESPÍRITO SANTO de anunciar a palavra na Ásia" (At 16.6). Seguiram para Mísia e tentaram ir a Bitínia, "mas o ESPÍRITO de JESUS não lho permitiu" (At 16.7). Então, partiram para Trôade (At 16.8).

3. Trôade e Neápolis. Antiga Tróia da Ilíada de Homero. Nessa cidade, Paulo teve uma visão em que alguém lhe dizia: "Passa à Macedônia e ajuda-nos!" (16.9). Nessa localidade, Lucas se juntou à comitiva (16.10). Navegaram para Neápolis, durante dois dias de viagem, e chegaram a Filipos.

4. Filipos. Colônia romana e uma das principais cidades da Macedônia. Com essa visita, Paulo fundou a primeira igreja européia. Ao entrar, assim, neste continente, ele se deparou com outra realidade. Os romanos seriam uma nova experiência para o seu apostolado. Nessa cidade, ele organizou uma igreja na casa de Lídia, vendedora de púrpura (Atos 16.14, 15). Nessa ocasião, libertou uma adivinha da opressão maligna e foi, por isso, para a cadeia, juntamente com Silas. O resultado foi a conversão do carcereiro (Atos 16.33, 34). Os direitos dos dois, como cidadãos romanos, foram desrespeitados. De lá, partiram para Tessalônica, passando por Anfípolis e Apolônia (At 17.1).

5. Tessalônica e Beréia. Tessalônica era a principal cidade da Macedônia. Sua população era constituída de gregos, romanos e judeus. Como de costume, o apóstolo procurou uma sinagoga, para iniciar seu trabalho. Paulo só ficou três semanas nessa localidade. por causa da perseguição (Atos 17,2,5). De lá, partiram para Beréia (v.10). Os bereanos foram mais receptivos que os tessalonicenses e Paulo. na sinagoga, anunciou o Evangelho. Como Beréia estava próxima de Tessalônica, não demorou muito, para que os mesmos judeus, os quais perseguiram o apóstolo, viessem também para aquela cidade. Assim, ele saiu às pressas e sozinho, indo para Atenas, deixando Silas e Timóteo naquela localidade (At 17.13-15).

6. Atenas. Paulo navegou para Atenas, o centro cultural do mundo grego. Lá, pregou para os filósofos estóicos e epicureus (duas escolas filosóficas muito em voga nos dias do apóstolo), e fundou uma igreja, como resultado dessa pregação, mas com um grupo muito pequeno. De Atenas, partiu para Corinto (At 18.1). A maneira como Paulo descreveu o estado psicológico em que se encontrava, ao chegar naquela cidade (1 Co 2.1-5), mostra que a sua emoção ia muito além das palavras de Lucas, em Atos 17.32,33.

7. Corinto. Era a capital da Grécia, naqueles dias, com uma população de, aproximadamente, 500 mil habitantes. Paulo permaneceu ali. durante um ano e meio, onde ensinou a Palavra de DEUS (At 18.11). Morou na casa de Áquila (judeu do Ponto e expulso de Roma, por determinação de Cláudio) e Priscila, sua mulher. De Corinto, em 52 d.C., ele escreveu 1 Tessalonicenses (1 Ts 3.6). Em menos de um ano, ele enviou. a segunda carta para a mesma igreja. De lá, foi para Cencréia, cidade portuária, de onde partiu para sua base(18.18), com breve parada em Éfeso, navegando, em seguida, rumo a Cesareia, de onde seguiu para Jerusalém e depois Antioquia da Síria (18.22). É o fim de sua segunda viagem.


Atos-18.23 - 21.26
TERCEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA DE PAULO

Terceira Viagem Missionária de Paulo


Equipe: Paulo.
Época: 53 a 57 d.C.
Partida: Antioquia da Síria.
Rota: Antioquia da Síria; Tarso; Derbe da Lacônia; Listra da Lacônia; Icônio; Antioquia da Pisídia; Éfeso; Esmirna; Pérgamo; Trôade; Neápolis; Filipos; Apolônia; Tessalônica; Beréia; Corinto; Atenas; Corinto; Beréia; Apolônia; Filipos; Neápolis; Trôade; Assôs; Mitilene; Mileto; Rodes; Pátara; Tiro; Ptolomeida; Cesaréia; Jerusalém.
Nota: Quanto a essa rota há outras versões.

Nesta terceira viagem que ocorreu entre os anos 53-57 d.C., Paulo segue o percurso anterior, fazendo o retorno por um caminho diferente.

CIDADES MAIS RELEVANTES:
1. Éfeso. Paulo começou a terceira viagem a partir de Antioquia da Síria, como fez nas duas primeiras (At 13.2-4; 15.35-40; 18.23).
a) Localização. CapitaI da Ásia Menor, era a cidade. mais importante da região, pois localizava-se no cruzamento das rotas comerciais. Nela, encontrava-se o templo da deusa Diana, Artemis para os romanos, que era uma das sete maravilhas do mundo antigo.
b) Primeiros discípulos em.Éfeso. Por essa cidade havia passado Apolo (18.24) que foi instruído por Áquila (18.26). Paulo encontrou nela um grupo de uns 12 novos convertidos, que conheciam apenas o batismo de João (19.1-7).

2. Regresso de Paulo. Novamente, Paulo viaja para Corinto, onde passou três meses (Atos.20.3), Aos coríntios ele escreveu duas cartas. De Éfeso, a primeira; e da Macedônia, a segunda, Nessa última visita a Corinto, escreveu a carta aos Romanos, em 58 d.C., à irmã Febe, de Cencréia; foi a portadora (Rm 16.1). Na volta para Antioquia da Frígia, por terra, visitou as igrejas da Macedônia (20.1,2), até chegar a Mileto, depois de passar cinco dias em Filipos. De Mileto, mandou chamar os anciãos da igreja em Éfeso, pois tinha pressa, e queria chegar o mais rápido possível a Jerusalém, para a festa de Pentecoste (20.16). Na praia local, fez o célebre discurso de despedida (20.17-38). Depois, segue para Cesareia, passando pela Fenícia, e, em seguida, chega à Cidade Santa, onde é preso pelos judeus (At 21.1-8,27-36).


Atos-21.1 - 26.32
PAULO EM JERUSALÉM - O ALVOROÇO




Atos-27.1 - 28.16
VIAGEM A ROMA - PAULO PRISIONEIRO

Viagem a Roma


Equipe: Paulo.
Época: 59 a 61 d.C.
Partida: Jerusalém.
Rota: Jerusalém; Cesaréia; Sidom; Mirra; Cnido; Bons-Portos na ilha de Creta; Malta; Siracusa; Régio; Putéoli; Três-Vendas; Roma.
Nota: Quanto a essa rota há outras versões.

A viagem de Paulo para Roma, como prisioneiro (59-61), seguindo o caminho do mar, tem a particularidade de passar pelas ilhas de Creta e Malta.

1. Paulo é preso em Jerusalém. Isso aconteceu no Templo (Atos 21.27). Ele se defendeu diante do povo (Atos 21.40; 22.2) e do Sinédrio (Atos 22.30; 23.10). É enviado para Cesareia, onde se apresenta diante de Félix (Atos 23.23; 24.1-27), Festo e Agripa 11 (Atos 25.22; 26-32).

2. Viagem para Roma. Como Paulo apelou para César (Atos 25.11; 26.32), na condição de prisioneiro romano, partiu de Cesareia com destino a Roma (Atos 27.1-2). Foi uma viagem muito difícil. Era inverno, e o navio naufragou em Malta, onde esteve três meses (Atos 28.1-11). Até que chegou à capital do Império em 62 d.C.

3. Epístolas de Roma. Da capital do Império, escreveu as seguintes cartas: Efésios, Colossenses e Filemom, em 62 d.C.; Filipenses, em 63 d.C. Entre 67 e 68: 2 Timóteo, após o incêndio de Roma, quando estava preso pela segunda vez, durante a sua condicional. Em 64 d.C., escreveu da Macedônia: 1 Timóteo e a epístola a Tito.

O apóstolo Paulo era de Tarso, que hoje fica na Turquia.

Vocabulário desta aula.

Apologia=Discurso ou texto em que se defende, justifica ou elogia alguma doutrina, ação, obra etc.
Concílio=Reunião de dignitários eclesiásticos, para deliberar sobre questões de fé, costumes, doutrina ou disciplina eclesiástica.
Hostilidade= manifestação de rivalidade, de agressividade .
X

O FIM DA ERA APOSTÓLICA

Segundo a maioria dos historiadores, o apóstolo João, que foi um dos melhores teólogos, teria morrido de morte natural, em Éfeso, no ano 103 d.C., quando tinha 94 anos.

Ele era o último dos apóstolos vivo, e com a sua morte encerra-se o período apostólico da igreja, vindo agora o que chamamos de "era pós apostólica".

O AVISO DOS APÓSTOLOS

Prevendo o fim da era apostólica, muitos deles já advertiam a igreja que haveria entre os cristãos muita apostasia. Também relatavam que essa apostasia já tinha começado em seus dias e que cresceriam à medida que o tempo da volta de Cristo se aproximasse, e mostram que essa investida maligna já estava infestando as igrejas.


EXEMPLO I
Paulo viajando com destino a Jerusalém, quando chegou em Mileto, mandou chamar os líderes da igreja de Éfeso e lhes disse o seguinte:

Atos 20:28-31
28 - Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.
29 - Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho;
30 - E que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si.
31 - Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.

Paulo alertou sobre:
Os falsos mestres, e que aqueles falsos mestres viriam de fora e também de dentro de seus próprios grupos.


EXEMPLO II
Também para os de Corinto, Paulo alerta para falsificações doutrinárias.

2 Cor. 11:1-6
1 - QUISERA eu me suportásseis um pouco na minha loucura! Suportai-me, porém, ainda.
2 - Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo.
3 - Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo.
4 - Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis.
5 - Porque penso que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos.
6 - E, se sou rude na palavra, não o sou contudo na ciência; mas já em todas as coisas nos temos feito conhecer totalmente entre vós.

Paulo alertou sobre:
a - A troca da simplicidade do evangelho pela complexidade da filosofia ou coisas semelhantes.
b - Outro Jesus seria pregado. Como isto? Usando o mesmo nome "Jesus" e a mesma história, porem com outros atributos.
c - Outro espírito, uma imitação da manifestação do Espírito Santo.
d - Outro evangelho, com visão diferente do verdadeiro.



EXEMPLO III
Também para Timóteo, o apóstolo Paulo enfatiza:

I Timóteo 4
1 - MAS o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
2 - Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;
3 - Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;
4 - Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças.
5 - Porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada.
6 - Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido.
7 - Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas, e exercita-te a ti mesmo em piedade; 8 Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir.

Paulo alertou sobre:
Apostasia de alguns nos últimos tempos.
Estariam dando ouvidos a espíritos enganadores.
Seguiriam doutrinas de demônios.
Líderes de igrejas com a consciência cauterizada.
Alguns líderes iriam proibir o casamento.
Abstinências alimentares.
Fábulas na igreja. Coisa de velhas mas ensinado por doutores.


EXEMPLO IV

II Timóteo Tm 3:1-13
1 - SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
2 - Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
3 - Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
4 - Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
5 - Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
6 - Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências;
7 - Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.
8 - E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé.
9 - Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles.
10 - Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, amor, paciência,
11 - Perseguições e aflições tais quais me aconteceram em Antioquia, em Icônio, e em Listra; quantas perseguições sofri, e o SENHOR de todas me livrou;
12 - E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.
13 - Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados.

Paulo alertou que:
Nos últimos dias, haveria tempos trabalhosos, referindo-se a obra de Deus.
Haveria homens egoístas, e com tudo o há de ruim, na obra de Deus.
Eles não respeitariam nem mesmo seus pais.
mais amigos dos deleites do que amigos de Deus. Pastores que a si mesmos se apascentam.


EXEMPLO V

II Cor 11:
12 - Mas o que eu faço o farei, para cortar ocasião aos que buscam ocasião, a fim de que, naquilo em que se gloriam, sejam achados assim como nós.
13 - Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo.
14 - E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz.
15 - Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras.

Paulo alertou que:
Tinha inimigos no ministério que buscavam ocasião contra Paulo.
Falsos apóstolos.
Obreiros fraudulentos.


EXEMPLO VI

II Timóteo 4:3-4
3 - Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;
4 - E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.

Paulo alertou que:
Em algum tempo futuro, a sã doutrina seria esquecida.
A igreja iria preferir os doutores na liderança.
Voltariam ás fábulas.


EXEMPLO VII

II Pedro 2:
1 - E TAMBÉM houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.
2 - E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade.
3 - E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.
4 - Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo;
5 - E não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, pregoeiro da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios;
6 - E condenou à destruição as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza, e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente;
7 - E livrou o justo Ló, enfadado da vida dissoluta dos homens abomináveis
8 - ( Porque este justo, habitando entre eles, afligia todos os dias a sua alma justa, vendo e ouvindo sobre as suas obras injustas );
9 - Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia do juízo, para serem castigados;
10 - Mas principalmente aqueles que segundo a carne andam em concupiscências de imundícia, e desprezam as autoridades; atrevidos, obstinados, não receando blasfemar das dignidades;
11 - Enquanto os anjos, sendo maiores em força e poder, não pronunciam contra eles juízo blasfemo diante do Senhor.
12 - Mas estes, como animais irracionais, que seguem a natureza, feitos para serem presos e mortos, blasfemando do que não entendem, perecerão na sua corrupção,
13 - Recebendo o galardão da injustiça; pois que tais homens têm prazer nos deleites quotidianos; nódoas são eles e máculas, deleitando-se em seus enganos, quando se banqueteiam convosco;
14 - Tendo os olhos cheios de adultério, e não cessando de pecar, engodando as almas inconstantes, tendo o coração exercitado na avareza, filhos de maldição;
15 - Os quais, deixando o caminho direito, erraram seguindo o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça;
16 - Mas teve a repreensão da sua transgressão; o mudo jumento, falando com voz humana, impediu a loucura do profeta.
17 - Estes são fontes sem água, nuvens levadas pela força do vento, para os quais a escuridão das trevas eternamente se reserva.
18 - Porque, falando coisas mui arrogantes de vaidades, engodam com as concupiscências da carne, e com dissoluções, aqueles que se estavam afastando dos que andam em erro,
19 - Prometendo-lhes liberdade, sendo eles mesmos servos da corrupção. Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo.
20 - Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro.
21 - Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado;
22 - Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama.

Pedro alertou que:
A vinda de falsos doutores, que trariam heresias na igreja.
Negarão ao Senhor, com doutrinas contrárias ás doutrinas bíblicas.
Grande parte da igreja os seguiriam.
Obreiros que comercializariam a Palavra de Deus.


EXEMPLO VIII

I João 2:18-22
18 - Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos, por onde conhecemos que é já a última hora.
19 - Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós.
20 - E vós tendes a unção do Santo, e sabeis tudo.
21 - Não vos escrevi porque não soubésseis a verdade, mas porque a sabeis, e porque nenhuma mentira vem da verdade.
22 - Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho.

João alertou que:
A vinda do anticristo (alguém que ocuparia o lugar de Cristo)
Eram da igreja mas se rebelaram.


EXEMPLO IX

1 João 4 1-3
1 - AMADOS, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo.
2 - Nisto conhecereis o Espírito de Deus: Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus;
3 - E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo.

João alertou que:
A vinda de falsos profetas.
Doutrinas estranhas sobre Jesus.


EXEMPLO X

II João 7:
9 - Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho.
10 - Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis.
11 - Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras.

João alertou que:
Todo o crente tem que ser perseverante.

Também Jesus, quando falou com João na revelação do Apocalipse, advertiu as sete igrejas da Ásia as quais estavam sob ataques heréticos.
Ler Apocalipse: (2.3, 2:6, 2:14-15, 2:20-24; 3:2, 3:15-17).



Diante desse quadro sombrio para a igreja, que já vinha sofrendo assédios do gnosticismo, judaísmo, nicolaitismo e outras, não se podia esperar muita coisa para o futuro.


SÉCULO I - FATOS RELEVANTES

Nascimento dos precursores da Igreja.
Ministério de João Batista.
Ministério de Jesus.
A crucificação.
A Ressurreição.
A ascensão.
A inauguração da Igreja dos judeus.
A instituição do diaconato
A Assembléia de Jerusalém
A inauguração da Igreja dos gentios.
A universalização da igreja.
A Multiplicação de igrejas.
1ª Viagem Missionária de Paulo
2ª Viagem Missionária de Paulo
3ª Viagem Missionária de Paulo
Outras Viagens Missionárias
Perseguição Geral aos Cristãos
A igreja de Antioquia e a universalização do evangelho.
É escrito todo o novo testamento, em grego.


A ERA PÓS APOSTÓLICA SEC. II - 100 a 199 d.C.


A era pós apostólica está envolvida em uma penumbra com alguns registros históricos duvidosos.

Esses registros históricos existentes não nos são suficientes para distinguir-mos onde está a igreja apostólica, pois, provavelmente devido a sua natureza simples e humilde não alcançou notoriedade ou status para entrar para história, e ficou à margem.

Mas ela continuo bem viva, o fogo não se apagou, pois entendemos que Deus sempre teve as suas testemunhas na terra, continuamente, quer em movimentos cristãos clandestinos, comunidades, etc. os quais atravessaram os séculos sempre escondendo-se do poder dominante devido a intolerância e chegaram até nós.

Deduzimos que muitos deles nunca chegaram a ser citados na história, pois tinham que viver a fé cristã secretamente e sabemos que alem dos heróis do primeiro século, muitos outros surgiram, anonimamente e totalmente ignorados pela história.

O que os registros históricos nos contam é a história de uma igreja que não se encaixa nos moldes apostólicos, mas que usurpou essa imagem, e ela mesma construiu uma história, e ela mesma entrou para essa história que ela mesma construiu, ocupando o lugar histórico de igreja de Cristo, e ela mesma conta e divulga essa história. Durante suas inquisições, destruiu todos os escritos que não lhe interessavam, preservando somente aqueles que lhe eram favoráveis.

Esse domínio político-religioso está no poder há mais de 1500 anos, e suas Inquisições alcançaram toda a região antes dominada pelo império romano.


Líderes eclesiásticos históricos.


Os apóstolos e os discípulos do primeiro século foram realmente as colunas da igreja, mas não podemos chamar ninguém de "pai" da igreja, pois a igreja foi gerada por Jesus Cristo, e somente ele então seria o pai da igreja. Esse termo "pai da igreja" não é bíblico. É apócrifo e pervertido. Nem os apóstolos ousaram nomear-se assim. Por isso os estaremos chamando aqui de "personagens eclesiásticos históricos".

A igreja imperial por conveniência nomeou esses personagens de "pais da igreja", pois, como a palavra "pai" em italiano e espanhol é "padre", fica o sentido de que todos esses personagens da igreja primitiva eram padres católicos, o que para a igreja imperial é uma situação bastante cômoda.


Esses "personagens eclesiásticos", quanto á época em que viveram, estão agrupados em quatro grupos:
- Apostólicos (primeiro século), (0 a 99 d.C.)
- Pré-nicenos (segundo e terceiro séculos), (100 a 299 d.C.)
- Nicenos (quarto século) (300 a 399 d.C.)
- Pós-nicenos (quinto século). (400 a 499 d.C.)
Estaremos citando os principais seguindo uma ordem cronológica.

Niceno, refere-se ao "Concílio de Nicéia" (325 d.C.) quando a igreja imperial romana foi oficialmente constituída, tendo como líder maior o imperador Constantino.


Quanto ao tipo de contribuição que deram para a história, podemos também agrupá-los em 2 grupos, sendo:
- Apologistas - Os que defenderam o cristianismo contra as perseguições do estado através de suas obras literárias.
- Polemistas - Os que procuraram explicar e justificar o cristianismo para as autoridades e combater heresias



A ERA PÓS APOSTÓLICA SEC. II - 100 a 199 d.C.


Clemente de Roma (30 - 100 d.C.) - Apostólico.
Inácio de Antioquia da Síria (cerca do ano 35 – 108 d.C.) - Apostólico.
Policarpo (69-155 d.C.) - Apostólico.
Papias de Hierápolis (70-140 d.C.) - Apostólico.
Justino, o Mártir (cerca do ano 100 – cerca do ano 165 d.C.) - Apostólico - Apologista.


A ERA PÓS APOSTÓLICA SEC. III - 200 a 299 d.C.


Irineu (125-202 d.C) - Pré-Niceno - Polemista.
Clemente de Alexandria - (150-230 d.C) - Pré-Niceno - Apolologista.
Tertuliano (155 – 255 d.C) - Pré-Niceno - Apologista.
Cipriano (? – 258 d.C) - Pré-Niceno - Polemista.
Orígenes (185-254) - Pré-Niceno - Polemista.
Eusébio de Cesarea (270-340) - Niceno.


A ERA PÓS APOSTÓLICA SEC. IV (300 a 399 d.C.)


Jerônimo (340 – 420 d.C) - Pós-Niceno.
Ambrósio (339-397) - Pós-Niceno.
Agostinho de Hipona (354-430) - Pós-Niceno - Polemista.
João Crisóstomo (347-407) - Pós-Niceno.
Cirilo (376-444) - Pós-Niceno.


CONCÍLIO DE NICEIA - 325 d.C.


Na época já havia várias correntes religiosas que se diziam cristãs. As mais fortes devoravam as mais fracas e cresciam ainda mais. Esse tipo de igreja da época tinha força política interessante, e o imperador soube tirar proveito disso.

Foi nesse concílio, durante as plenárias ou fora delas, que Constantino tornou-se além de imperador romano, o Bispo dos bispos. O mesmo que "papa". Foi aí que a igreja assumiu duas facetas. Uma como detentora do império romano, e outra como a de organização religiosa.

Foi aí que foi criado o chamado "credo niceno" que até hoje é rezado pelos católicos, o que no leva a entender que foi aí que oficialmente nasceu a igreja católica apostólica romana, que através dós séculos foi passando por algumas mutações para se adequar da melhor maneira possível nos contextos sociais.


Os pontos discutidos no sínodo eram:

A questão ariana
A celebração da Páscoa
O cisma de Melécio de Licópolis
O batismo de heréticos
O estatuto dos prisioneiros na perseguição de Licínio.


A IGREJA INVISIVEL


GRUPOS CRISTÃOS QUE HISTÓRIA ESQUECEU

Desde os primeiros séculos, e até aos tempos chamados de "renascença", muitos grupos cristãos floresceram e desapareceram sob a fúria implacável da igreja imperial romana.

Dentre eles cita-se montanistas, novacianos, paulicianos, donatistas, etc., os quais, segundo alguns historiadores deram origem aos valdenses.

Os valdenses que viveram no norte da Itália e no sul da França e em outros lugares, durante a Idade Média, foram cruelmente perseguidos por Roma durante séculos. Sabe-se que sua história começa no 11º século senão antes dele, porém alguns estudiosos crêem que ininterruptamente houve igrejas fiéis entre os valdenses, desde o século 2 até os séculos 14 e 15.

O registro histórico deles foi destruído quase que em sua totalidade pela igreja imperial.
Apenas um punhado de todos os escritos valdenses foi preservado, e sobreviveu durante todos esses séculos.

Muitas são as histórias e estórias sobre os Valdenses.

Muitos outros grupos existiram através dos tempos, que a história preferiu omitir. São eles: montanistas, novacianos, donatistas, paulicianos, bogomilos, albigenses e cátaros, valdenses e anabatistas.

Muitos historiadores batistas e protestantes vêm nesses grupos a continuidade da igreja apostólica.

Futuramente vamos fazer um estudo mais profundo sobre os movimentos cristãos que existiram nos primeiros séculos do cristianismo, e que atravessaram os séculos de história existindo clandestinamente e reaparecendo com o período chamado "iluminismo", dos quais somos hoje participantes.

setacima

T
o
p
o
setacima

T
o
p
o